Por que ainda não sabemos o que há no interior das Pirâmides do Egito?

A importância histórica faz com que autoridades não permitam obras invasivas nas pirâmides
"Enfim fizemos uma grande descoberta no Vale dos Reis: uma magnífica tumba, intacta. Espero sua chegada", escreveu o explorador britânico Howard Carter em uma mensagem enviada para o colega George Herbert. O ano era 1922 e Carter queria que Herbert se juntasse à expedição que acabara de praticamente tropeçar na tumba de um dos mais famosos faraós egípcios.

BBC Brasil 

A descoberta da tumba e de seus tesouros foi uma sensação mundial. Embora o "Rei Tut" não estivesse enterrado em uma pirâmide, outros líderes egípcios tiveram estes monumentos como local final de repouso, e muita gente quer saber o que as câmaras ainda não descobertas podem esconder no interior dessas estruturas incríveis.

Patrimônio

O problema é que, apesar de as pirâmides estarem de pé há milhares de anos, nós ainda sabemos muito pouco sobre seu interior. E isso alimenta as mais variadas teorias nas mais variadas situações. Em um recente debate entre os políticos que disputam a candidatura do Partido Republicano à presidência dos Estados Unidos, por exemplo, Ben Carson, defendeu o argumento de que as pirâmides eram imensos depósitos de grãos.

Por que os mistérios persistem? E por que nunca as exploramos completamente?

Para começar, as pirâmides têm imensa importância arqueológica. Seu design complexo, bem como hieróglifos e possíveis artefatos em seu interior fazem com que qualquer sugestão de escavações soarem inapropriadas ou irresponsáveis, ao contrário do que fizeram Carter e outros.

"A arqueologia moderna se preocupa em não danificar o patrimônio que quer estudar", explica Alice Stevenson, do Museu de Arqueologia da University College, em Londres.

Leitura infravermelha mostrou anomalias termais na Grande Pirâmide
Um exemplo dessa iniciativa é o trabalho da ONG CyArk, que está criando mapas digitais em 3D de 500 monumentos ao redor do mundo, usando tecnologia laser. Só que isso não resolve nossas dúvidas sobre o interior das pirâmides. A Grande Pirâmide, por exemplo, foi construída em Gizé mais de 3 mil anos atrás e com mais de dois milhões de blocos de pedra. Tem 139m de altura, mas até hoje poucos compartimentos de seu interior foram acessados, como a Grande Galeria e as câmaras reais.

Recentemente, uma equipe de arquitetos usou aparelhos infravermelhos e detectou variações de temperaturas em algumas pedras na base da Grande Pirâmide. Algo que despertou ainda mais questões. As diferenças térmicas sugerem a presença de túneis ou cavidades em que há a presença de ar. Mas não há maneira fácil de descobrir e a equipe internacional de cientistas tem ordens explícitas das autoridades egípcias para não fazer escavações invasivas.

Isso apesar de essas mesmas autoridades estarem de olho no potencial turístico de novas descobertas. "Seria algo extremamente importante para o turismo no Egito", explica Stephenson.

O escaneamento dos monumentos ainda é a melhor técnica de exploração
Por enquanto, tecnologias de escaneamento serão a principal ferramenta de investigação. Análises de satélites, por exemplo, já ajudaram a localizar pirâmides soterradas. Mas uma outra opção podem ser robôs. Uma câmara não acessível a humanos na Grande Pirâmide já foi observada com o auxílio de máquinas há quatro anos. Mais especificamente uma sala adjacente à Sala da Rainha, já conhecida desde 2002. Só que na mais recente investida, um robô mais flexível conseguiu captar imagens de misteriosos hieroglifos vermelhos, que não tinham vistos por humanos há milhares de anos.

Mas mesmo essa expedição revelou apenas uma fração dos segredos da Grande Pirâmide. Até que a ciência avance mais um pouco, continuaremos "no escuro" sobre mais segredos. Para Stevenson, isso é algo que só vai alimentar o mistério que faz parte há centenas de anos do relacionamento que temos com as pirâmides egícipias.

"É a natureza de movimentos como estes - eles transcendem gerações".

Nenhum comentário: