Conheça os microvampiros que vivem ao seu lado

A Vampyrellida chupa todos os fluidos da vítima em um processo que leva poucos minutos
"É quase certo que, a poucos metros de você, existe um vampiro se alimentando.



Ele pega a vítima, perfura sua pele e suga todos os seus fluidos corporais. E esse processo leva apenas alguns minutos.

Não estamos falando de Drácula ou qualquer outro personagem de ficção. Esses "vampiros" são organismos unicelulares chamados Vampyrellidae, que atacam até animais muito maiores do que eles, como vermes.

Vampyrellidae

O "vampiro-ameba" foi descrito pela primeira vez em 1865 pelo biólogo russo Leon Semenowitj Cienkowski, um dos fundadores da microbiologia.
Ele descobriu criaturas unicelulares de cor vermelho brilhante, semelhantes às amebas, que atacavam algas perfurando as paredes celulares para extrair seu conteúdo.

Como seu comportamento lembrava o dos vampiros da tradição popular, ele decidiu chamá-los de Vampyrella.

Depois disso, foram descobertos outros organismos semelhantes, que foram chamados coletivamente de Vampyrellidae. Hoje, os Vampyrellidae são classificados como pertencentes a um grupo diversificado de organismos unicelulares chamados Rhizana.

Sua forma macabra de alimentação tem fascinado os microbiologistas há 150 anos.

As "amebas-vampiro" foram descritas pela primeira vez em 1865 por um biólogo russo.
Em 1926, um estudo descreveu como a Vampyrella lateritia se posiciona ao redor da vítima e, em cerca de um minuto, rapidamente incha devido "à injeção do conteúdo das células de algas no animal, através de um orifício ovalado".

Agora sabe-se que elas atacam não apenas as algas. Algumas espécies podem atacar fungos ou até animais multicelulares, especificamente os nemátodos.

Se não há comida suficiente, as células de algumas espécies podem se fundir com outras para formar estruturas maiores. Estas podem chegar mais longe na busca por comida.

Na água e na terra

Quando termina de comer, o Vampyrellidae constrói uma dura parede a seu redor.

"Eles permanecem em estado de imobilidade e digerem os alimentos", diz Sebastian Hess, da Universidade de Colônia, na Alemanha.

O processo leva um ou dois dias. E, ao mesmo tempo, a célula se divide.
Como resultado, quando a casca é aberta, pode haver duas amebas-vampiro em vez de uma.

Hess e seus colegas estão investigando como as diferentes espécies de Vampyrellidae se relacionam. No laboratório, a equipe cultivou oito tipos de Vampyrellidae e sequenciou seu DNA.


De acordo com Hess, os testes confirmaram que todos pertencem ao mesmo grupo.

No entanto, Hess descobriu que existem pelo menos dois subgrupos relacionados dentro das Vampyrellidae: um é composto de várias espécies de Vampyrellidae, e o outro de organismos como Leptophrys vorax.

Esta divisão é baseada no local em que eles vivem: os Vampyrellidae vivem em poças e lagoas, enquanto outros membros do grupo vivem na terra.

Como fazem isso?

Mais recentemente, uma equipe de pesquisadores do Museu de História Natural de Londres descobriu oito novos tipos de Vampyrellidae que vivem no mar ou em águas salgadas.

Também descobriram sequências de 454 DNAs que claramente pertencem a Vampyrellidas, recolhidas em amostras de todo o mundo.

Isso significa que há muitos mais vampiros-ameba do que se imaginava, especialmente no mar, onde até então ninguém tinha reparado na presença deles.

No entanto, o que nenhum pesquisador foi capaz de entender é como esses organismo conseguem quebrar as paredes celulares resistentes de uma bactéria ou um fungo para absorver seu conteúdo.

Estas paredes são muito duras: as de fungos são feitas de quitina, o mesmo material que forma as conchas de lagostas.

E isso acontece rápido, segundo Hess. "A perfuração da parede celular leva de cinco a dez minutos."

Hess acredita que este seja um processo químico.

"Eles devem ter um conjunto de enzimas que podem digerir as paredes celulares das plantas. Estou começando a investigar isso", explica ele.
Mas a questão não é apenas acadêmica.

Muitas empresas e cientistas estão interessados na criação de biocombustíveis a partir de algas. Isso poderia se tornar uma fonte limpa de combustível com emissões quase zero de dióxido de carbono.

O problema é que é muito difícil quebrar as paredes exteriores do algas para obtenção de açúcares ricos em energia que estão em seu interior.
Neste sentido, diz Hess, as enzimas das amebas-vampiro poderiam ser uma grande ajuda."

Nenhum comentário: