Conheça cinco das cidades mais baratas do mundo

"Uma mudança para o exterior costuma ser uma experiência cara, já que há muitos custos envolvidos. Mas em algumas cidades os baixos custos de vida compensam on investimento.



A Economist Intelligence Unit elabora anualmente um ranking de custo de vida, comparando os preços de 160 bens e serviços diferentes em 131 cidades.

Confira abaixo como são algumas das cidades mais baratas do mundo.

Mumbai, na Índia

Posição no ranking de custo de vida: 131 (a mais barata)
A cidade mais barata do mundo, entre as 131 avaliadas, é a mais populosa e diversa da Índia. A cidade explodiu em 1869 após a construção do Canal de Suez, no Egito, que criou novas rotas de navegação e transformou Mumbai em um importante porto global.

Isso fez de Mumbai uma cidade multicultural. Também é uma espécie de "meca do trabalho" – para muitos, quem quer ser bem-sucedido na Índia tem que passar pela cidade.

Para quem quer se divertir, os custos são baixos. Ingressos de cinema ou drinques em bares custam metade do que se paga em lugares como Nova York ou Londres.

O transporte público e os táxis custam um décimo do preço cobrado em Londres e Nova York. Uma viagem de oito quilômetros sai por 151 rúpias (cerca de R$ 6,50).

Por R$ 2,4 mil por mês, é possível ter uma equipe de três profissionais: motorista, cozinheiro e caseiro.

As moradias são relativamente baratas, mas alguns reclamam que os custos estão subindo. Hoje em dia, muitos profissionais estão se mudando para o norte da cidade, já que os preços no centro e no sul estão ficando fora do alcance.

O aluguel de uma casa de 85 metros quadrados sai por R$ 2,7 mil.

Katmandu, no Nepal

Posição: 127 de 131

Porta para os Himalaias, Katmandu tem uma cultura de vida ao ar livre. Até mesmo nas empresas, as pessoas costumam deixar suas mesas para ir trabalhar sob o sol.

Fora do trabalho, a vida noturna está ficando mais agitada, com cada vez mais bares e restaurantes. Mas eles têm hora para fechar: meia-noite. Ou seja, tudo começa cedo em Katmandu.

Katmandu não possui um horizonte cheio de prédios altos, que é normalmente o que costuma baixar o preço do mercado imobiliário em várias cidades. Mesmo com muitas casas e prédios pequenos, o preço da moradia de Katmandu continua baixo. Por US$ 300 (cerca de R$ 750), é possível alugar uma casa de 85 metros quadrados.

Os gastos do dia a dia também podem ser baixos. Um pãozinho custa R$ 0,55; um almoço, cerca de R$ 10. Os preços são baixos para quem tem os hábitos locais. Mas supermercados e restaurantes de comida ocidental costumam praticar os mesmos preços cobrados nos países ricos.

Cidade do Panamá, no Panamá


Posição: 124 de 131
O clima ameno atrai pessoas de todas as partes do mundo para a América Central. A cidade tem uma cultura de trabalhar seis dias por semana, o que significa que os momentos de lazer são vividos com intensidade.

"Quando chega perto do dia de pagamento, os bares e boates ficam lotados com baladeiros", diz Alex Hardy, um americano que dá aula de inglês. Os preços para se divertir são baixos: uma cerveja sai por um terço do que se paga em Nova York.

Um boom no setor da construção civil melhorou a qualidade da moradia. Mas muitos ainda preferem os apartamentos antigos, que apesar de serem um pouco antiquados, são mais espaçosos.

A cidade tem boa estrutura para quem gosta de passear, com baixos preços de táxis e outros modos de transporte público. Uma passagem de ônibus custa R$ 0,50.

Bucareste, na Romênia

Posição: 124 de 131 (empatado com a Cidade do Panamá)

A capital romena já foi conhecida como "Pequena Paris", devido à influência francesa na sua arquitetura e nos boulevards. A decadência vivida no período comunista começou a ser revertida com reformas promovidas nos últimos anos.

A hospitalidade local é uma das marcas. Apesar da existência de vários bares e restaurantes, é provável que um visitante ou novo morador seja em breve convidado para jantar na casa de alguém. A tradição local é oferecer o que há de melhor a todos, mesmo quando não se pode pagar por isso.

Os custos de moradia são até 80% inferiores aos praticados em Londres. O transporte público tem custos até 90% inferiores à capital britânica. Um cartão mensal que dá direito à malha de transportes sai por cerca de R$ 3,50.

Jedá, na Arábia Saudita
 
Posição: 123 de 131
Muitos visitantes de Jedá estão em peregrinação rumo à Meca. Quem acaba se estabelecendo aqui descobre uma cidade com baixos preços e uma combinação singular de modernidade e tradição.

As leis religiosas da Arábia Saudita regem boa parte dos costumes locais. À noite, muitos esbanjam sua riqueza nos restaurantes, com carros de luxo.
O preço da gasolina é um dos mais baixos do mundo. Um litro de gasolina sai por menos de R$ 0,50 centavos. Comida e moradia também são baixos, com aluguéis de R$ 2 mil por 85 metros quadrados.

Mas os moradores locais alertam: quem gosta de comer bem precisa se adaptar às condições locais. A oferta de vegetais e frutas é restrita, se comparada a outros lugares. A saída é se adaptar ao gosto local em pratos com muito açafrão, menta, coentro e ervas variadas."

Nenhum comentário: