Hortas comunitárias se multiplicam nas comunidades do Rio

O projeto Hortas Cariocas foi criado há seis anos pela prefeitura.
Ciclo Vivo

"Desenvolvimento socioeconômico, segurança alimentar, aumento da capacidade de infiltração da água no solo, conservação da biodiversidade e diminuição do efeito estufa e da poluição. Estes são alguns dos benefícios da pequena horta comunitária no Morro da Formiga, na Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro.

Sem placa ou aviso, o portãozinho de madeira na subida do morro passa despercebido para quem não é da comunidade. Mas o entra e sai de moradores mostra que a popularidade da horta dispensa propagandas. A moradora Márcia Cristina Alves dos Santos passa pela horta três vezes por semana pela manhã, para comprar verduras. “Compro couve, alface e almeirão. É bem mais fresquinho do que no supermercado. Não tem comparação”, comenta a diarista.




O coordenador da horta, Orlando de Almeida Ribeiro, 66 anos, conhecido pela comunidade como “Português” mostra orgulhoso a alface crespa, couve, o almeirão, aipim, mamão, cheiro-verde e a abobrinha. “Tudo sem agrotóxico”, garante. “Cobramos pouquinho, o molho da alface custa R$1, por exemplo. O que mais fazemos aqui é a doação”, conta o coordenador que trabalha na horta há seis anos. “Acho que doamos para 20 famílias, além da escola e creche que temos na comunidade”.

Existem 30 hortas com este perfil espalhadas pela cidade, fruto do projeto Hortas Cariocas, criado há seis anos pela prefeitura, com o objetivo de incentivar a prática da agricultura urbana e oferecer gêneros alimentícios de qualidade a custo acessível, sobretudo nas comunidades pobres.


O projeto determina que metade da produção dos alimentos seja obrigatoriamente doada para as escolas do bairro e às famílias com maior vulnerabilidade social, indicadas pela Associação dos Moradores. A outra parte pode ser comercializada pelas equipes e o lucro é dividido entre os beneficiários.

Para o idealizador e gestor do projeto, Julio César Barros, da Secretaria de Meio Ambiente, nesses oito anos de trabalho é possível afirmar que as hortas têm reduzido os índices de ocupação irregular de terrenos ociosos, elevando os níveis de inclusão social, além de propiciar  aos moradores da comunidade alimentação livre de transgênicos e agrotóxicos.

“O projeto vem ganhando corpo. Este trabalho é uma parceria entre o poder público e a comunidade. O resultado tem sido positivo,uma vez que o beneficiário é a comunidade. Hortas Cariocas está “deselitizando” o consumo de alimento orgânico e contribuindo para a formação da política de segurança alimentar da cidade ”, disse o agrônomo.


Crédito das fotos: Tomaz Silva/Agência Brasil
Veja a matéria completa da Agência Brasil aqui.

Nenhum comentário: