Água, assunto decisivo na nova agenda de desenvolvimento

Um menino cingalês se banha em um rio contaminado. A Ásia meridional, onde vivem 1,7 bilhão de pessoas, 75% delas em zonas rurais, é uma das mais vulneráveis às crises hídricas. Foto: Amantha Perera/IPS
Amantha Perera, da IPS / Envolverde

Estocolmo, Suécia, 26/9/2014 – Um presente da natureza ou um bem estimado? Um direito humano ou luxo para uns poucos? Quem será o principal consumidor, o setor agrícola ou o industrial? Qualquer que seja a resposta a estas e muitas outras perguntas, é claro que a água será um assunto decisivo na próxima década. Algumas estimativas indicam que cerca de 768 milhões de pessoas não têm acesso a esse recurso, e outras que 3,5 bilhões carecem de uma fonte adequada de água.

Quando várias agências da Organização das Nações Unidas (ONU), junto com seus 193 Estados membros, discutem novas metas que substituam os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), que vencem no final de 2015, a necessidade de incluir a água na agenda se faz cada vez mais urgente. Segundo o último Informe Mundial sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos (WWAP), “a demanda mundial de água chegará a 55% em 2050, principalmente pela maior demanda da indústria (400%), da geração termossolar de eletricidade (140%), e do uso doméstico (130%).

Além disso, um aumento sustentado da urbanização provavelmente derive em um “planeta de cidades”, em que 40% da população mundial resida em áreas com grave estresse hídrico até 2050. As reservas de água subterrânea diminuem. Cerca de 20% dos aquíferos do mundo estão superexplorados, e a degradação dos mangues afeta a capacidade dos ecossistemas de purificá-los.

O informe WWAP também indica que a crescente demanda de energia, que aumentará em um terço até 2030, exercerá maior pressão sobre os limitados recursos hídricos. Só a demanda por eletricidade poderia aumentar até 70% até 2035. Somente China e Índia concentrarão 50% do crescimento. Nesse contexto, vários especialistas disseram à IPS que a gestão desse recurso ocupará um lugar destacado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), atualmente em discussão, com a esperança de evitar crises causadas por uma severa escassez.

“Estamos discutindo os objetivos e a maioria dos Estados membros concorda que a água exige melhor coordenação e gestão”, revelou à IPS Amina Mohammed, assessora especial do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para o planejamento da agenda pós-2015, durante a Semana Mundial da Água, que terminou no dia 5 deste mês.

Outros especialistas ressaltaram que no passado a gestão da água ficou fora das decisões de alto nível, apesar de ser uma parte integral de qualquer processo de desenvolvimento. “Nos próximos anos, o consumo de água aumentará 30% e a escassez aumentará. Teremos grandes desafios pela frente”, afirmou Torgny Holmgren, diretor-executivo do Instituto Internacional da Água de Estocolmo (Siwi).

A forma como o mundo usa a água muda drasticamente, disse Holmgren à IPS. Tradicionalmente, a agricultura é a maior devoradora de água doce, mas no futuro próximo a indústria tomará seu lugar. “Aproximadamente 25% da água será consumida pelo setor energético”, acrescentou.

Para muitas nações, especialmente no mundo em desenvolvimento, o debate água versus energia entrará em um círculo vicioso, pois mais pessoas sairão da pobreza e se incorporarão à classe média com capacidade de gasto, sua demanda por energia crescerá, aumentando a pressão sobre os limitados recursos hídricos.

Kandeh Yumkella, representante especial do secretário-geral e encarregada da iniciativa Energia Sustentável para Todos (SE4ALL), disse à IPS que, até 2050, três bilhões de pessoas sairão da pobreza e 60% da população mundial residirá nas cidades. “Todo mundo pede mais de tudo, mais casas, mais automóveis e mais água. E falamos de um mundo em que se prevê que as temperaturas aumentarão entre dois e três graus centígrados, talvez mais”, ressaltou.

A Ásia meridional, onde vivem 1,7 bilhão de pessoas, das quais 75% vivem em zonas rurais, é uma das regiões mais vulneráveis à escassez de água e requer medidas urgentes dos governantes e de outros atores. O Sri Lanka, por exemplo, devido à variabilidade climática, perdeu grandes possibilidades de crescimento devido à má gestão da água.

Na última década as inundações prejudicaram nove milhões de pessoas, pouco menos da metade dos cerca de 20 milhões que vivem nesse país insular. Os danos causados pelo excesso de chuvas chegaram a US$ 1 bilhão, segundo os últimos dados do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha).
Ironicamente, a ilha sofre constante falta de água. Atualmente, uma seca que já dura dez meses afeta 15 dos 25 distritos do Sri Lanka, onde vivem 1,5 milhão de pessoas. Também se prevê redução na colheita de arroz em 17%, levando sua produção ao nível mais baixo em seis anos. Tudo isso enquanto o país tenta manter o crescimento econômico em 7%, segundo vários analistas.

Diversas autoridades declararam que trabalham na gestão hídrica, mas para os que defendem iniciativas rápidas, como Mohammed e Yumkella, as promessas devem se traduzir em ações. A situação é igualmente difícil para China e Índia. Da população indiana, 53% sofre escassez de água, segundo o informe Choque de Necessidades Encontradas, realizado pela CNA Analysis and Solutions, com sede em Washington.

As necessidades de energia na Índia dispararam e, segundo uma pesquisa de 2012, a brecha entre demanda e fornecimento foi de 10,2%, e a previsão é de aumento. A última vez que o país enfrentou uma severa crise energética, em julho desse ano, 600 milhões de pessoas ficaram sem eletricidade.

Segundo a organização sem fins lucrativos China Water Risk, as necessidades energéticas do país crescerão 100% até 2050, mas cerca de 60% dos recursos hídricos subterrâneos já estão contaminados. A China tem uma forte dependência do carvão para gerar energia, mas a demanda crescente reforçará o estresse considerável nos recursos hídricos em um país onde pelo menos 50% da população pode estar sofrendo escassez de água, segundo Debra Tan, diretora dessa entidade. Envolverde/IPS

Nenhum comentário: