Qualidade da água é ruim ou péssima em 40% dos rios analisados pelo SOS Mata Atlântica

Carbono Brasil / SOS Mata Atlântica 

 "O conteúdo do Instituto CarbonoBrasil possui direitos reservados, porém é liberado para organizações sem fins lucrativos desde que seja citada a fonte e incluída a URL para o portal. Em caso de dúvida, entre em contato. http://www.institutocarbonobrasil.org.br/noticias6/noticia=736658#ixzz2wvkL3ivH

Um levantamento com a medição da qualidade da água em 96 rios, córregos e lagos de 7 Estados brasileiros, o mais amplo até hoje coordenado pela Fundação SOS Mata Atlântica, revela que 40%  apresentam qualidade ruim ou péssima. Os dados, divulgados na semana em que se celebra o Dia da Água (22 de março), foram coletados entre março de 2013 e fevereiro de 2014 e incluem um levantamento inédito envolvendo as 32 Subprefeituras da cidade de São Paulo, além de 15 pontos do Rio de Janeiro. Veja a lista completa dos pontos analisados no relatório técnico em http://bit.ly/rios2014.

De acordo com os números consolidados, 87 pontos analisados (49%) tiveram sua qualidade da água considerada regular, 62 (35%) foram classificados como ruins e 9 (5%) apresentaram situação péssima. Apenas 19 (11%) dos rios e mananciais – todos localizados em áreas protegidas e que contam com matas ciliares preservadas – mostraram boa qualidade. E nenhum dos pontos analisados foi avaliado como ótimo.

Segundo Malu Ribeiro, coordenadora da Rede das Águas da SOS Mata Atlântica, os melhores resultados foram obtidos em áreas protegidas, como alguns pontos da Bacia do Alto Tietê na Área de Proteção Ambiental (APA) Capivari-Monos e no Parque Várzeas do Tietê. Em Minas, foi encontrada água com qualidade boa em Extrema, na APA Fernão Dias. E no Espírito Santo, também foi observada água com qualidade boa no município de Santa Teresa, conhecido como Santuário Capixaba da Mata Atlântica, que possui ricos ambientes biológicos como as Reservas de Santa Lúcia e Augusto Ruschi.

“A maioria dos pontos que apresentaram boas condições estavam em Unidades de Conservação, como parques ou reservas, ou em locais em que a mata ciliar foi recuperada. Em 6 pontos monitorados, nos Córregos São José e da Concórdia e no Rio Ingazinho, na Bacia do Rio Piraí (SP), notamos na prática a importância de recuperar a floresta – após um reflorestamento a qualidade da água passou de regular a boa. Isso comprova que para garantir água em qualidade e quantidade é preciso recompor matas ciliares e manter as florestas”, afirma a coordenadora do estudo."
Matéria Completa, ::AQUI::

Nenhum comentário: