Perda de memória não é natural com a idade, dizem cientistas

Jornal GGN

"Tornou-se senso comum acreditar que, à medida em que envelhecemos, vamos perdendo aos poucos as capacidades mentais, principalmente a memória – independente de que lugar do mundo estejamos. Mas uma nova pesquisa revelou que qualquer perda de memória, por mais que não seja tão grande como acontece em, por exemplos, casos de Alzheimer, é sinal de dano cerebral – mesmo sem qualquer sinal de demência.

Inicialmente publicado em 2010, um estudo da Rush University Medical Center, em Chicago, nos Estados Unidos, acompanhou 350 membros do clero católico ao longo de 13 anos. Em cada ano, eles eram submetidos a testes de memória. Após a morte dos religiosos, os pesquisadores digitalizaram seus cérebros e descobriram que os pacientes que morreram sem nunca experimentar perda de memória não apresentaram sinais de Alzheimer ou de acidentes vasculares cerebrais (AVCs).

Com base nesses dados e em pesquisas mais recentes, os cientistas sugerem que não há perda “natural” de memória com a idade, mas que toda perda de informações da memória é, na realidade, sinal de dano cerebral – e é mais provável que seja caso de demência em estágio inicial. “O que estamos dizendo é que as mudanças no cérebro que são os principais responsáveis para a doença de Alzheimer e outras demências também parecem ser a principal responsável por alterações precoces muito suaves na memória e pensamento”, afirma o pesquisador Robert S. Wilson."

Com informações do NaturalNews

Nenhum comentário: