Cientistas temem que El Niño traga fome, seca e inundações de volta este ano

O El Niño é um fenômeno, até hoje inexplicável, que ocorre devido ao aumento da temperatura no Oceano Pacífico
Correio do Brasil 

"O fenômeno climático El Niño, que pode provocar seca em algumas e, ao mesmo tempo, grandes inundações em lugares distintos em todo o mundo, poderá voltar este ano, segundo preveem climatologistas de diferentes países, com alto risco de prejudicar a produção de alimentos básicos, como arroz, feijão, milho, trigo e cana.

O El Niño se configura pelo aquecimento da superfície do mar no Pacífico, com repercussões em várias partes do mundo. O pior fenômeno do gênero foi registrado no final de 1990, matando mais de 2 mil pessoas e causando bilhões de dólares em danos. Um forte El Niño pode secar culturas na Austrália, sudeste da Ásia, Índia e África, enquanto outras partes do planeta, como o Meio-Oeste dos EUA e Brasil, são atingidas por chuvas.

Embora os cientistas ainda debatam sobre a intensidade de um potencial de El Niño, um serviço de meteorologia da Austrália e um centro de previsão do clima dos EUA advertiram sobre aumento das chances do fenômeno neste ano. No mês passado, a Organização Meteorológica Mundial, das Nações Unidas, disse que havia uma “possibilidade reforçada” de um fraco El Niño em meados de 2014.

– O mundo está se preparando para o El Niño, que, se confirmado, poderia causar estragos na oferta e elevar preços de algumas commodities – disse a analista de investimentos da Phillip Futures, em Cingapura, Vanessa Tan.

Fenômeno ativo

Ao que indicam as pesquisas, 2014 será o período mais quente na história de observações meteorológicas, segundo cientistas alemães. Com novos métodos de previsão, os especialistas chegaram à conclusão de que o El Niño iniciou mais uma etapa da sua formação em setembro do ano passado, podendo o atingir o seu auge ao longo deste ano.

Um calor insuportável, aliado a incêndios, secas e tempestades numas regiões do planeta, e inundações e enchentes – em outras zonas climáticas, poderá afetar a Terra já neste ano. Os cientistas alemães da Universidade Justus Liebig têm relacionado as previsões sobre eventuais cataclismos com o El Niño. Foram, aliás, pescadores latino-americanos que lhe deram um nome tão simpático.

– Mas, na verdade, depois de crescer um pouco, o ”menino” tem produzido enormes efeitos sobre o sistema climático do planeta. O El Niño é um fenômeno climático bem conhecido, que acontece periodicamente de 4 em 4 anos, tendo origem na parte sul do oceano Pacífico, embora se faça observar à escala mundial. Os ventos alísios da zona tropical oriental enfraquecem, enquanto as temperaturas oceânicas perto do litoral sul-americano se elevam rapidamente e se registra uma distribuição anormal da pressão atmosférica – assinala Piotr Zavialov, do Instituto de Processos Antropogênicos, de Moscou.

Os mais afetados têm sido, neste caso, os países próximos da linha equatorial. Muitos se lembram ainda das tragédias ocorridas em 1997 quando os incêndios florestais de grandes proporções se propagaram pela Indonésia e depois acabaram por atingir a Austrália. Naquele ano, a faixa de fogo, que se estendia pelas florestas do Brasil, alcançou 1,6 mil km.

Inexplicável

Mas o El Niño se vai aproximando também de latitudes setentrionais, acentua o geógrafo Arkadi Tishkov.

– Peritos em matéria do clima têm destacado o impacto do oceano Pacífico na formação das condições meteorológicas na parte europeia. Se, antigamente, as mudanças do clima local estavam ligadas ali aos processos ocorridos no norte do Atlântico, nos últimos anos, é o El Niño que exerce influência sobre o clima de muitas regiões. Este fenômeno pode causar uma elevada quantidade de precipitações ou, pelo contrário, fazer reduzi-las, alterando a correlação entre as zonas de pressão atmosférica alta e baixa, o que provoca a formação de circulações ciclônicas – lembrou.

No hemisfério norte, o El Niño esteve na origem do insuportável calor anormal em junho-agosto de 2010, que bateu todos os recordes na América do Norte, na Europa, no centro e no norte da Ásia. Mas neste ano não existem sinais de reincidências, sustenta Arkadi Tishkov:

– Pode ser que haja um calor um pouco maior do que no ano passado, mas poderá ele atingir as proporções registradas em 2002 ou 2010? Por enquanto, é difícil dar uma resposta exata. Para tal é necessário conhecer não apenas as fases do El Niño. Será necessário sabermos quais as mudanças ligeiras da temperatura oceânica e de seus efeitos sobre a circulação atmosférica. Talvez os cientistas alemães tenham fundamentos para avançar tais previsões. Os serviços meteorológicos russos não têm previsto quaisquer anomalias climáticas do gênero – disse.

É que as alterações de temperatura do oceano Pacífico concluem o seu ciclo em finais do Outono no hemisfério sul e em finais da primavera, no hemisfério norte. Por isso, não é fácil fazer previsões quanto ao comportamento do El Niño que, por razões inexplicáveis, vai ganhando ou perdendo força."

Nenhum comentário: