Jogo educativo ajuda a testar o que prova não testa

Patrícia Gomes, do Porvir / Envolverde

“Num espaço quadrado fechado, dois caminhões e sete carros estão travando o caminho de um carro, que precisa sair. Para levar o carro até a única saída do quadrado fechado, o jogador pode movimentar os carros que estão no caminho para frente ou para trás, até o limite estabelecido por outro carro ou pelo muro. O joguinho, que pode até parecer simples, foi adaptado e vem sendo aplicado a crianças e jovens do ensino fundamental para trabalhar raciocínio lógico, noção espacial, além de ensiná-los a respeitar regras, lidar com emoções e agir com responsabilidade. O jogo A Hora do Rush é um dos preferidos pelos estudantes cujas escolas adotam a Mind Lab. A metodologia se propõe a usar games educativos, tanto os de tabuleiro de antigamente quanto os virtuais, para desenvolver quatro tipos de habilidades: as cognitivas, entre elas resolver problemas e tomar decisões; as sociais, como cooperar e colaborar; as emocionais, como ter autoestima, autoconfiança e responsabilidade; e as éticas, como respeitar a diferença e agir para o bem comum (veja quadro).


A metodologia Mind Lab começou a ser desenvolvida na década de 1990 em Israel. Na época, o governo estava incentivando que as escolas pusessem as crianças para jogar xadrez. Acontece que algumas ficavam muito estimuladas com a atividade e outras nem tanto. Foi então que, para tentar encontrar o mesmo nível de engajamento em todos os alunos, um grupo de professores começou a desenvolver uma série de jogos de raciocínio lógico e a treinar outros professores a usarem o método. Hoje, a Mind Lab está presente em mais de 30 países, com mais de 10.000 professores treinados e 2 milhões de estudantes usando os jogos. Só no Brasil, são 1.000 escolas chegando a mais de 350 mil alunos de 4 a 18 anos.”
Matéria Completa, ::AQUI::

Nenhum comentário: