Estudo reforça ligação entre exploração de gás de xisto e terremotos


Novo trabalho aponta que 109 tremores aconteceram em uma cidade no estado norte-americano de Ohio após o início da atividade; não havia registros de abalos sísmicos anteriores na área

Fabiano Ávila, Instituto CarbonoBrasil

O gás de xisto, um combustível fóssil alternativo, está sendo saudado como uma das razões para a saída dos Estados Unidos da sua crise econômica, e outros países, incluindo o Brasil, estão se preparando para também explorar essa fonte de energia. 

No entanto, pesquisadores ainda têm dúvidas sobre a segurança dessa atividade para os ecossistemas e para a saúde humana. Tanto é assim, que a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) enviaram neste mês uma carta à presidente Dilma Rousseff, manifestando a sua preocupação com o anúncio da Agência Nacional do Petróleo (ANP) da decisão de incluir o gás de xisto na próxima licitação, em novembro.

Reforçando essa preocupação, um novo estudo afirma que pelo menos 109 terremotos foram registrados na cidade de Youngstown, no estado norte-americano de Ohio, em um período de apenas 14 meses.  Os fenômenos teriam começado somente 13 dias após o início da exploração do gás de xisto na região. 

O mais forte dos terremotos, que registrou 3,9 na escala Richter, aconteceu no dia 31 de dezembro de 2011, e levou o Departamento de Recursos Naturais de Ohio a obrigar o encerramento das atividades de “fracking” na área.

“Fracking”, ou “fratura hidráulica”, é como é chamada a tecnologia para extrair o gás de xisto. Ela consiste na injeção de água, areia e substâncias químicas sob altíssima pressão nas camadas geológicas, forçando o gás para a superfície. 

Um dos perigos claros desse processo é a contaminação de lençóis freáticos e do solo por esses produtos químicos. A questão dos terremotos está ainda sendo avaliada, mas cada vez mais especialistas parecem concordar que existe uma relação clara entre o “fracking” e os tremores de terra.

O novo trabalho que levantou o número de terremotos em Youngstown é de autoria do geólogo Won-Young Kim, pesquisador do Observatório da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Colúmbia, e foi publicado no periódico Journal of Geophysical Research: Solid Earth.

De acordo com Kim, não havia registros de terremotos em Youngtown antes do início da exploração do gás de xisto. Além disso, o pesquisador aponta que quando ocorria um aumento na injeção de fluídos no solo pelo ‘fracking’, cinco dias depois aconteciam tremores. Também foi possível mostrar que em feriados a atividade sísmica diminuía.

Esse é apenas o mais recente dos estudos sobre o assunto. Em julho, um trabalho de William Ellsworth, sismólogo da Pesquisa Geológica dos Estados Unidos, afirmou que o aumento da atividade em poços de gás natural altera o estresse em áreas suscetíveis a terremotos ao elevar a pressão dos fluidos sobre as rochas subterrâneas, lubrificando as falhas preexistentes e tornando-as mais suscetíveis a rompimentos e deslocamentos.

Já a pesquisa de Nicholas van der Elst, também do Observatório da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Colúmbia, indica que pelo menos metade dos terremotos de magnitude 4,5 ou maiores que atingiram o interior dos EUA na última década ocorreram perto de locais de poços de injeção de águas residuais.

Aqui no Brasil, a carta da SBPC e da ABC solicita o adiamento da licitação de áreas para exploração de gás de xisto por um período suficiente para aprofundar os estudos sobre o real risco do “fracking”.

Em entrevista para o Instituto CarbonoBrasil em junho, o pesquisador Luiz Fernando Scheibe, coordenador da Rede Guarani/Serra Geral, destacou principalmente os riscos para os aquíferos, incluindo o tesouro nacional que é o Guarani.

“Os milhões de litros de água resultam poluídos em cada poço, por hidrocarbonetos e por outros compostos e metais presentes na rocha, nos explosivos e nos próprios aditivos químicos requeridos pela complexa atividade de mineração do gás, exigindo dispendiosas técnicas de purificação e de descarte dos resíduos finais, que podem vir a poluir tanto a água de superfície como os próprios aquíferos”, disse Scheibe.

Citações:

Induced seismicity associated with fluid injection into a deep well in Youngstown, Ohio - DOI: 10.1002/jgrb.50247.

Enhanced Remote Earthquake Triggering at Fluid-Injection Sites in the Midwestern United States - DOI: 10.1126/science.1238948

Continuous permeability measurements record healing inside the earthquake fault zone - DOI: 10.1126/science.1237237

Imagem: Exploração do gás de xisto em Youngstown, Ohio / Dimiter Kenarov / Pulitzer Center

Nenhum comentário: