Brasileiro não sabe identificar no rótulo os nutrientes dos alimentos industrializados


Foram apresentados para consumidores,
imagens de alimentos industrializados
populares sem e com uma informação
nutricional simples. - Foto: Usdagov/Flickr
Estudo compõe pesquisa da Consumers International, com nove países, para mobilizar os Estados membros da OMS a implementar as recomendações do Plano de Ação, apresentado, hoje, em Genebra, na Assembleia Mundial de Saúde.


Redação do CicloVivo / Envolverde

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulga os dados brasileiros, da pesquisa global, coordenada pela Consumers International (CI), em nove países, incluindo Europa, Ásia, África e Américas, sobre a rotulagem nutricional de alimentos industrializados.

Foram apresentados para consumidores, imagens de alimentos industrializados populares sem e com uma informação nutricional simples. No caso do Brasil, foram quatro tipos de biscoitos “cream cracker”.

Mais de três mil consumidores responderam a um “quiz”, que demonstrou os desafios enfrentados na escolha de uma dieta saudável. O Brasil, entre os três países com maior número de participantes (786), foi o que obteve o pior resultado, apenas 28% de acertos, considerando a possibilidade de avaliar os níveis de nutrientes dos biscoitos.

No entanto, quando o mesmo produto continha informação clara e consistente na parte frontal da embalagem, a partir do ‘semáforo nutricional’, a porcentagem de acertos na identificação da quantidade de gordura e sal foi de 84%, um valor três vezes maior ao comparar com as respostas sem o semáforo.

A quantidade de acertos aumentou ainda mais, chegando a mais de 90%, quando o semáforo nutricional foi utilizado para comparar um produto com o outro.

“Quanto ao açúcar, no Brasil as indústrias não são obrigadas a declarar o valor desse nutriente no rótulo, o que torna a tarefa de escolher opções saudáveis mais difícil. O quiz não permitiu reproduzir exatamente a análise dos rótulos feita pessoalmente, porém trouxe resultados importantes em relação ao uso e o entendimento do ‘semáforo nutricional’ na embalagem”, explica a nutricionista do Idec, Ana Paula Bortoletto.

Semáforo Nutricional

Os rótulos do tipo ‘semáforo nutricional’ foram baseados em uma proposta da Agência de Regulação de Alimentos do Reino Unido: a cor vermelha indica que os alimentos são ricos em açúcar, sal, gordura saturada e gordura; amarela indica níveis médios; e verde indica nível baixo.
O “quiz” ficou aberto no portal do Idec colhendo respostas do Brasil de 22 de abril a 5 de maio.


Participação das organizações de consumidores:

• Brasil – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) www.idec.org.br

• Canadá – consommateurs Opção www.option-consommateurs.org

• Países Baixos – Consumentenbond www.consumentenbond.nl

• Hungria – Associação dos Consumidores consious www.tudatosvasarlo.hu

• Índia – Consumer VOZ http://consumer-voice.org

• Indonésia – Yayasan Lembaga Konsumen Indonésia (YLKI) www.ylki.or.id

• México – El Poder del Consumidor (México) www.elpoderdelconsumidor.org

• México – Colectivo Ecologista Jalisco www.cej.org.mx

• Eslovénia – Zveza Potrosnikov Slovenije (ZPS) www.veskajjes.si

• Reino Unido – Consumers International www.consumersinternational.org
• Zimbabwe – Conselho de Consumidores de Zimbabwe http://www.ccz.org.zw/

Para mais informações, clique aqui.

* Com informações do Idec.
* Publicado originalmente no site CicloVivo.

Nenhum comentário: