Gigantes da floresta: Por que as maiores árvores do mundo estão morrendo?



“As árvores gigantes são as rainhas das florestas. Algumas delas há milênios proporcionam abrigo e alimento aos animais e, às vezes, inclusive aos homens. Resistiram a tudo, ao tempo, às intempéries, às guerras e depredações. Agora, no entanto, chega a notícia de que elas estão seriamente ameaçadas

Equipe, Revista Oásis / Brasil 247


Segundo reportagem da revista Science, a taxa de mortalidade das árvores que têm idade superior a 100 anos está aumentando de modo alarmante em todo o mundo.

As florestas suecas foram as primeiras a sofrerem tais ameaças, mas estudos recentes feitos das montanhas Ash, na Austrália, demonstraram que na atualidade as árvores gigantes estão morrendo numa taxa dez vezes superior à do passado. O problema se estende das savanas africanas até o Parque Nacional Yosemite, nos Estados Unidos, e às florestas tropicais no Brasil. “Estamos assistindo à mortalidade em massa de muitos sistemas florestais, e isso não possui uma única causa, e sim de um conjunto de causas diversas e diferenciadas”, explica David Lindenmayer, da Australian National University.


Agricultura, incêndios, insetos, clima

Observando-se o problema na Austrália, por exemplo, vê-se como as árvores mais velhas não mais conseguem se reproduzir devido ao desenvolvimento da agricultura que lhes roubou o solo. Outro problema está sendo a introdução de novas espécies vegetais e animais que, em seguida, se revelam letais para as espécies endêmicas mais antigas. “Existem organismos que carregam doenças que se desenvolvem com grande rapidez, e espécies exóticas que proliferam de forma descontrolada e que estão enfraquecendo inteiros ecossistemas, explica Bill Laurance, da James Cook University. Na parte ocidental dos Estados Unidos, por exemplo, podemos observar diversos fatores letais para as plantas, entre eles os besouros dos pinheiros que agora se reproduzem e prosperam de modo descontrolado. No passado, esses coleópteros morriam com o frio do inverno, mas agora os invernos estão se tornando tão suaves que esses animais sobrevivem e continuam, mesmo nos meses frios, a fazer seu trabalho de destruição de florestas inteiras”.

Na América do Sul, sobretudo, existe o problema do abandono das terras por parte considerável da população que prefere se transferir para as cidades. Isso, cada dia mais, faz com que deixe de existir o controle de incêndios de enormes proporções que acabam destruindo boa parte das florestas.” 

Um comentário:

Anônimo disse...

Porque tudo o que é vivo, morre um dia!

Simples, assim!