Dor crônica afeta entre 15% e 40% dos brasileiros, dependendo da região do país


Alana Gandra, Agência Brasil
 
“O percentual médio de pessoas afetadas por algum tipo de dor crônica no Brasil varia de estado para estado e pode ser de 15% a 40% da população. Estudos disponíveis revelam que em São Luís (MA), por exemplo, o índice de queixas de dores crônicas chega a 47%, enquanto em Salvador (BA), chega a 41% e em São Paulo, fica entre 30% e 40%. Entre a população mundial, de 20% a 30% sofrem com essas dores.

A informação foi dada à Agência Brasil pelo vice-presidente da Sociedade Brasileira de Estudos para a Dor (SBED), Durval Campos Kraychete, que também coordena o Ambulatório da Dor da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Segundo ele, dependendo do tipo de política governamental de saúde, esses números podem aumentar ou diminuir. “Se você [adota] medidas preventivas para a dor, a tendência é diminuir. Mas se a dor continuar subestimada, em termos de avaliação e de diagnóstico, e subtratada, a tendência é aumentar”.

Kraychete disse que a média de tempo que um paciente com dor leva até procurar um ambulatório ou serviço especializado é de oito anos. “Aí, já estão bem comprometidos do ponto de vista da doença, muitas vezes com incapacidade”. Para o especialista, a implantação no Sistema Único de Saúde (SUS) dos Centros de Referência em Tratamento da Dor Crônica, criados por meio da Portaria 1.319/2002, do Ministério da Saúde, poderá contribuir para melhorar o tratamento da população brasileira afetada por vários tipos de dor crônica e reduzir esses índices. “Porque isso acaba tendo impactos econômicos enormes”, destacou.

O médico disse que estudos internacionais mostram que o impacto em termos de perdas de pessoas em plena capacidade laborativa é grande. “A gente acaba tendo gastos enormes para poder reabilitar essas pessoas – as perdas chegam a bilhões de dólares e, em geral, afetam pessoas ativas, entre 40 anos e 60 anos”.

De acordo com dados da Previdência Social, a dor de coluna responde por quase 160 mil licenças por ano. Os centros públicos poderiam reduzir bastante esse número, assegurou Durval Kraychete, “se tivesse uma avaliação adequada, um diagnóstico correto e um tratamento também condizente com a doença que o paciente apresente. Porque o que acontece é que tem muita doença de coluna que é mal diagnosticada, mal tratada e muito uso inadequado da dor de coluna na Previdência Social”.

O especialista defendeu a adoção de uma política de educação continuada, não só para a população, mas também para os profissionais de saúde, de modo a permitir abordagens e diagnóstico corretos da dor. Ele lamentou que poucas universidades do país tenham o estudo da dor nos currículos médicos. “Ou de qualquer profissional, já que a abordagem da dor crônica é multidisciplinar”. Segundo Kraychete, isso deveria valer tanto para medicina, quanto para a odontologia, a enfermagem, a fisioterapia e outras especialidades. “O desconhecimento começa, muitas vezes, no diagnóstico incorreto”.

Nenhum comentário: