A obesidade infantil é uma grave epidemia e precisa ser combatida

Rizzatto Nunes, Terra Magazine / Blog do Rizzatto Nunes

É lugar comum o conselho que os pais dão a seus filhos menores: “Nunca fale com estranhos!”.

Essa máxima, aliás, é  universal e reconhecida como conselho necessário aos pequenos. No entanto,  paradoxalmente, muitos pais deixam todos os dias que estranhos falem  com seus filhos, crianças e adolescentes. Não só falem como também os assediem e tentem seduzi-los com promessas de aventuras e alegrias várias. Explico.

Os menores, todos os dias, estão sujeitos aos anúncios publicitários, especialmente da tevê, mas também de outros veículos como  a internet,  as revistas etc. Os responsáveis por produzirem esses anúncios, por planejarem as ofertas, por bolarem promessas atraentes, são pessoas desconhecidas. Aliás, desconhecidas também dos adultos.

Essas pessoas estranhas, com intenções mais ou menos ocultas, contam estórias  e apresentam uma série de fantasias para tentar convencer os pequenos a se interessarem por seus produtos e serviços e, com isso, pressionarem os pais a adquiri-los.

Retornando ao início, pergunto: por que é que os pais não gostam que seus filhos falem com estranhos? Ora, porque desconfiam que algo ruim pode acontecer, têm medo que esse desconhecido  tenha más intenções, que possa causar danos aos filhos etc. Os pais sabem que, mesmo sorrindo ou estando bem vestido, o estranho pode estar escondendo algo maléfico por detrás da aparência.

Pois bem. Muitos desses desconhecidos, que entram livremente em casa via televisão ou pelos outros meios para falar com as crianças e adolescentes, apresentam-se  exatamente assim, travestidos de heróis,  portando-se como amigos ou falando pela boca de personagens conhecidos e queridos.  Quem são eles?

São pessoas desconhecidas, mas bem formadas: universitários, técnicos, marqueteiros, publicitários,  que estudam horas a fio e que planejam o melhor modo de ataque. Da mesma maneira que um estranho numa esquina, bem vestido, sorrindo e oferecendo guloseimas, eles podem causar muitos danos aos pequenos ainda que surjam assim virtualmente.”
Artigo Completo, ::AQUI::

Nenhum comentário: