Assédio escolar, mau reflexo da sociedade latino-americana


Marianela Jarrou, IPS

“A escola continua sendo reflexo do que acontece nas sociedades”, por isto é urgente avaliar o que está por trás dos altos índices de assédio nas escolas na América Latina, enfatizou a especialista em educação regional Marcela Román. Esta antropóloga chilena afirmou à IPS que “também devemos nos questionar e assumir como o sistema, a política educacional, está gerando e permitindo estes níveis de maus-tratos nas escolas” da região, onde mais da metade dos estudantes é vítima de algumas de suas formas.

O assédio nas escolas, conhecido por bullying, define situações de intimidação, acosso, abuso, hostilidade e vitimação que ocorrem reiteradamente entre estudantes. Insultos, apelidos, golpes, agressões diretas, roubos, ameaças, fofocas e exclusão ou isolamento social são as formas de maus-tratos mais comuns e frequentes. Contudo, ultimamente, aumentou de maneira importante o “bullying cibernético”, pelo qual se maltrata e denigre o estudante pela internet.

Román, do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação da Universidade Alberto Hurtado, afirmou que a violência escolar é um grave problema em toda a América Latina, e sua erradicação é uma necessidade urgente na busca por uma escola de qualidade. O estudo América Latina: Violência entre Estudantes e Desempenho Escolar, realizado em 2011 por Román e seu colega Javier Murillo, constatou que 51,1% dos alunos da sexta série primária da região, em geral com 11 anos, sofreram roubos, insultos, ameaças ou apanharam de colegas.

Segundo a antropóloga, o assédio escolar é grave porque não está focado em um tipo de estudante, de escola ou de nível socioeconômico, mas é transversal, conforme mostra o estudo publicado pela Comissão Econômica para a América Latina (Cepal). “Às vezes, muda a forma e a prevalência”, observou Román. Uma constante, acrescentou, é que é menor nas zonas rurais, “por isso se deve analisar o que existe no urbano que desencadeia com maior facilidade ações que afetam a relação dos alunos”.
Artigo Completo, ::AQUI::

Nenhum comentário: