Ritmo da acidificação oceânica pode ser a maior em 300 milhões de anos

Jéssica Lipinski, Instituto CarbonoBrasil/Agências

“Uma nova pesquisa sobre a acidificação dos oceanos, liderada pela Universidade de Colúmbia e desenvolvida por cientistas da Alemanha, EUA, Espanha, Grã-Bretanha e Países Baixos, revelou que não apenas o fenômeno está ocorrendo, como está no ritmo mais acelerado dos últimos 300 milhões de anos, época em que ocorreu uma grande extinção em massa que extinguiu cerca de 95% das espécies do planeta.

Para realizar o estudo, os pesquisadores analisaram registros químicos preservados em rochas para avaliar as acidificações de oceanos anteriores. Os resultados mostraram que a acidificação atual só é menor do que uma que ocorreu entre 300 e 250 milhões de anos atrás, quando os dinossauros foram extintos, e comparável a outra que registrada há 55 milhões de anos.

Mas mesmo neste último evento, passaram-se pelo menos três mil anos para que o pH do oceano diminuísse 0,5 graus. “Essa é uma ordem de magnitude mais lenta do que a de hoje”, observou Bärbel Hönisch, paleooceanógrafa da Universidade de Colúmbia. Atualmente, o pH está caindo cerca de 0,1 grau por século.”
Matéria Completa, ::Aqui::

Nenhum comentário: