Governo investe R$ 40 milhões em conservação de florestas


Valor será injetado em projetos socieconômicas e de conservação da Amazônia nos Estados do Pará, Acre, Rondônia e Amazonas


Para melhorar a situação das florestas brasileiras, o governo federal lançou o Projeto de Apoio à Gestão de Florestas Públicas. O programa atenderá 17 florestas nativas nos estados de Rondônia, Amazonas, Pará e Acre, que receberão cerca de R$ 40 milhões. O valor será investido em ações socioeconômicas e de conservação ambiental da região da Amazônia.

A ideia será realizada por uma parceria entre o Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Serviço Florestal Brasileiro. O ICMBio será responsável por criar uma infraestrutura para as florestas nacionais, além de fornecer os equipamentos e acompanhar o andamento das obras. Já o órgão governamental deve capacitar os operários e técnicos para os projetos desenvolvidos nos locais beneficiados. O programa irá atender as principais necessidades das regiões de Jacundá (RO); Humaitá (AM); Macauã/São Francisco (AC); Bom Futuro (RO); Jatuarana (AM); Balata-Tufarí (AM); Iquiri (AM); Mapiá-Inauini (AM); Purus (AM); Amaná (PA); Crepori (PA); Jamanxin (PA); Itaituba I (PA); Itaituba II (PA); Altamira (PA); Trairão (PA); e Caxiuanã (PA).

Segundo previsão do governo, o projeto deve iniciar em quatro anos. Baseada no manejo florestal e na silvicultura, os responsáveis pela ação irão trabalhar diretamente com nativos da região para ressaltar as áreas em pior estado, com recursos que virão do Banco Alemão de Desenvolvimento (KfW Bankegruppe). A expectativa é que o plano permita reduzir a pressão sobre os recursos das florestas nativas e contribua para a recuperação da cobertura florestal com a silvicultura na região da BR-163.

De acordo com o diretor substituto de Ações Socioambientais e Consolidação Territorial em Unidades de Conservação do ICMBio, Osnil José Nepomuceno, o projeto será um grande gerador de empregos na região. A renda será oferecida por meio de atividade legal, produzida de forma sustentável e arrecadação coletada pela União dos Estados e Municípios.”

Nenhum comentário: