Presidente da Chevron diz que editou imagens do vazamento

Agência Brasil

“O presidente da Chevron Brasil, George Buck, admitiu nesta quarta-feira (23) que a empresa editou imagens do local do vazamento de óleo na Bacia de Campos, mas disse que a medida foi tomada para facilitar o envio das informações à Agência Nacional de Petróleo (ANP).

“No início do incidente tivemos dificuldade com banda larga para transmissão de dados, fizemos clipes [audiovisuais] curtos, mas relevantes, e transmitimos para a ANP. Foi para facilitar o envio das informações e de nenhuma forma tentava ocultar o porte do vazamento”, justificou.

Buck disse que todos os segundos de imagens que ficaram de fora da edição estão à disposição da ANP.

O vazamento em um dos poços da companhia no Campo de Frade foi identificado no dia 8 de novembro, e segundo estimativas da Chrevron, o equivalente a 2,4 mil barris de petróleo vazaram no oceano. Cada barril tem 159 litros.

A ANP decidiu hoje suspender as atividades de perfuração da Chevron no Brasil até que sejam identificadas as causas e os responsáveis pelo vazamento de petróleo e restabelecidas as condições de segurança no Campo de Frade. A agência também negou pedido da empresa para perfurar novo poço na área com o objetivo de atingir o petróleo da camada pré-sal.

Na segunda-feira (21), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) multou a Chevron em R$ 50 milhões, valor máximo previsto na lei brasileira. A empresa ainda pode receber novas multas do Ibama e da ANP.”

Nenhum comentário: